Dicas práticas de intercâmbio na África do Sul
África África do Sul

Dicas práticas de intercâmbio na África do Sul

Este é o segundo post do Pedro Leonardo, colega blogueiro do Bastante Sotaque. No seu primeiro post (aqui) ele contou sobre sua experiência como intercambista, e como isso afetou sua vida! Aqui neste post, ele dá dicas práticas de sobrevivência para quem quer seguir este caminho de intercâmbio.

Intercâmbio em Cape Town: razões para não surtar

Menos medo, mais frio na barriga. Acredito que esta deva ser a atitude adequada para quem vai fazer um intercâmbio na África do Sul. Cape Town – onde a maioria das escolas de inglês se situa – tem plenas condições de receber um estudante estrangeiro e dar a ele os melhores momentos da sua vida.

Uma das grandes lições que aprendi naqueles dois meses que vivi na Cidade do Cabo, em 2011, foi entender que não precisava me preocupar tanto com o pré-viagem. Bastavam o passaporte e o certificado internacional de vacinação da febre amarela. Entretanto, ansioso, perdia o sono pensando até em como lavaria – e secaria e passaria – as roupas. Desnecessário dizer que era minha primeira viagem internacional, né?

Chegando lá, as preocupações desmoronaram. Até minha insônia foi curada. Descobri que, morando numa residência estudantil, você é cercado de solidariedade. Há sempre alguém disposto a te ajudar e até dividir o jantar (“fiz macarrão demais, me ajuda a matar essa panela?”). Não faltam companhias para subir a Table Mountain ou visitar a praia dos pinguins. Elas simplesmente aparecem.

Guarde essas três palavras: tudo se resolve.

Já nos momentos em que você é lançado sozinho nas ruas, o único perigo real é a mão inglesa. Ser pedestre em um lugar assim exige muito do cérebro! Já fui quase atropelado algumas vezes.

Felizmente, é bem mais fácil ser usuário de transporte público. Tudo por causa do ônibus MyCiti, um tipo de BRT no qual é preciso ter um cartão recarregável para embarcar – não aceitam dinheiro. Barato, o sistema é a melhor opção para se deslocar durante o dia. À noite, prefira o Uber (principal razão para adquirir um chip local).

Segurança na África do Sul

Primeiramente, recomendaria os mesmos cuidados que devem ser tomados em Roma, São Paulo ou Zurique. E, por favor, não caia no conto do mochileiro que perdeu tudo. Um malandro amador assim não é páreo para quem tem como compatriotas certos políticos, correto?

Já em relação à violência em Cape Town e Joanesburgo, uma certeza: me senti mais seguro nessas cidades do que no Rio. Acredito até que cariocas cheguem lá com um senso de alerta meio exagerado. É que, aqui na Guanabara, o normal é ter medo da própria sombra e de motos com dois ocupantes. Sério.

Administrando seu dinheiro

Durante o intercâmbio em Cape Town, a questão da grana merece muita atenção obviamente. Afinal, alguns prazeres são tão baratos que podem fazer a pessoa gastar mais do que deveria. É o caso dos restaurantes. O chique HQ, por exemplo, tem uma promoção às terças, na qual duas refeições completas – entrada, prato principal e taça de vinho – custam cerca de 64 reais. Sim, é o valor total.

Na noite, cervejas também são baratas. De quebra, há bares no estilo “patrão ficou maluco”.
O Bob’s, na Long Street, é famoso pelos shots a 1 rand. Traduzindo (e convertendo): 25 centavos de real.

Caindo ou não em tentações, é preciso dar uma segurada nos gastos para chegar com alguma folga no fim da sua viagem. Uma medida que tem efeito decisivo no bolso é não comer fora todos os dias. Use e abuse de mercados como Pick-n-Pay, Spars e Checkers. E lembre-se do que escrevi há alguns parágrafos: tem sempre alguém na sua casa ou hostel calculando mal a quantidade de macarrão.

Outra recomendação é sempre andar com a carteirinha da sua escola de inglês. Ela garante descontos na maioria das atrações turísticas.

Roteiro de turismo

Cape Town é a cidade sul-africana com mais opções de atividades. Além disso, seus arredores oferecem uma infinidade de atrações.

O importante é deixar o roteiro em aberto. Sugiro fazer uma lista de prioridades e tentar realizá-las com calma. Esqueça planos engessados e apressados. Afinal, muitas atrações dependem do clima. Ventos fortes podem interromper o serviço do bondinho da Table Mountain, por exemplo.

Quanto à montanha mais famosa da África do Sul, é importante não deixá-la para o final. Tente ir logo na primeira manhã ou tarde de sol.

Um lugar no qual é fácil se deslocar, mais seguro e com custo de vida menor que as grandes cidades brasileiras. Tentador, não? Se eu for falar de Cape Town, hoje não vou terminar, mas acho que você já pegou a ideia.

Espero que este texto aumente o frio na barriga de quem está partindo pra Mother City ou faça alguém, no mínimo, cogitar seriamente uma viagem àquele paraíso.

 

Pra saber mais sobre intercâmbio e outras aventuras na África do Sul, confira a página do Bastante Sotaque. Excelente blog onde tem de tudo e um pouco mais!

Siga o Bastante Sotaque no Instagram e Facebook também.

Se Lança…

Veja estes outros posts que podem te interessar:

Vale a pena estudar Inglês na África do Sul?
Viajar para a África do Sul – Post Índice
O que fazer na Cidade do Cabo, melhores dicas reunidas
Turistando em Joanesburgo
Pretoria
Safari no Kruger Park, África do Sul

Dê uma olhada no nosso Guia Se Lança pra África do Sul:

Comentários

comments

LEAVE A COMMENT